Fake

The text of the exhibition was signed by a non-existent curator. Seeking to question the legitimacy of the curatorial text in exhibitions, the group decided to make a collage of curatorial texts and articles found online and invent the name, origin and CV of the “fake” curator. It acted as an artwork created collectively by the group in response to the theme “fake” and as a form of institutional critique to the formulaic way of creating and making “white box” exhibitions. The audience was unaware of this fact and believed the text as it was.

Original commissioned artworks by André Parente, Claudia Hersz, Marcos Bonisson, Heleno Bernardi, Lau Caminha, Camille Kachani, Walton Hoffman, Yuri Firmeza, Grupo Hapax, Simone Michelin, Isabel Löfgren, Patricia Gouvea, Mauro Bandeira, Marco Antonio Portela.

Text (In Portuguese)

FAKE

“O mundo de verdade foi abolido. Que mundo nos restou?” – Nietzsche

O talento brasileiro muitas vezes se define pela habilidade de driblar as regras do sistema. No futebol, o jogador astuto passa, dribla, chuta a bola por entre as pernas do adversário rumo ao gol. Na política, sente-se o desengano de contas fraudadas, funcionários-fantasma e testemunhos falsos diante de flagrante corrupção. Na beleza, os seios siliconados das jovens mulheres criam uma sociedade de cyborgs (a)palpavelmente reais.

O verbo “to fake it” em inglês significa simular um chute, um passe, enganar para vencer. Como uma partida de futebol, a seqüência de passos falsos feitos com a bola, que carrega toda a verdade do jogo, cumpre o seu desejo do gol – o resultado verdadeiro, real e palpável dos falseamentos exercidos dentro de um campo de potencialidades real. Em meio a estas forças antagônicas – a prática do falso e o desejo do real e verdadeiro – surge uma atitude de enfrentamento dos jovens artistas à ordem estabelecida e ao cansaço da replicação de gêneros já sedimentados.

Já foi dito que a arte contemporânea, a arte da segunda metade do século XX, é uma arte do simulacro. No entanto, ela parece hoje ultrapassar o simulacro ao questionar um modelo de verdade que parece afirmar o falso, onde o artista passa a ser um falsário, um charlatão, um mensageiro da verdade velada. Em Nietzsche, a abolição de um “mundo-verdade” e o fim do sistema de julgamento nos deixa a sós com uma relação entre forças. O mundo passa a ser visto por dentro, sem mediações, nem essência nem aparências – o fim do dualismo platônico entre o modelo ideal e a cópia degenerada, e além disso, saber distinguir as boas das más cópias, os bons dos maus pretendentes, o puro do impuro.

Ao levantar esta potência do falso, os artistas aqui expostos oferecem leituras diferentes de uma consciência da imagem que deixa de ser meramente simulacro ou cópia ou plágio. O que se deve atestar a partir dessas investigações é aceitar que não há mais verdade a referenciar ou mimetizar. Sendo assim, cada artista cria o seu próprio campo de relações poéticas sem, contudo, alienar-se da realidade. Ao contrário, se antes a arte julgava-se alheia ao restante das atividades culturais e mercantis, hoje ela se dissimula em meio a todo o resto.

Hoje, a hibridez na arte é real, e a pureza, falsa, utópica, ilusória, enganosa. Estes artistas do “fake” transformam o falso, o irreal e o construído em verdade-potência, uma verdade que, como no Édipo Rei, termina por nos cegar. Cabe a nós, como Nietzsche propõe, distinguir o bom modelo da má cópia (ou vice-versa) ou chegar à conclusão de que tudo o que ocorre não precisa de uma dialética ou ponto referencial: o “fake” simplesmente é.

Nino Tavares*

Outubro de 2006
Coimbra, Portugal

(*) Nino Tavares(1958), crítico de arte e curador, é Professor Adjunto no Centro de Artes e Mídias da Universidade de Coimbra, Portugal. Mestre em História da Arte, Semiótica e Lingüística no European Graduate School, está atualmente concluindo o doutorado em Novas Mídias na Universidad de Los Andes, Colômbia. Tavares é o autor de vários textos críticos de vanguarda sobre arte contemporânea na América Latina. Suas publicações incluem, entre outros, “História e Teoria da Imagem Contemporânea” e “Intervenções Urbanas da Imagem na América Latina”.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s